De onde mesmo?

Sorriu e se aproximou de mim, simpático. Falou meu nome, tentei a todo custo lembrar o dele, em vão. O rosto não era desconhecido, mas tive que me esforçar para lembrar que tipo de relação tivéramos e de onde o conhecia.

Perguntou coisas que me fizeram recordar que cursamos algumas matérias juntos quando entramos na universidade, embora estudássemos em cursos diferentes. O fio da memória foi puxando as situações do passado: ele me paquerava naquele tempo, mas era todo esquisito e eu não dava a menor bola.

Agora estava diferente, tinha encorpado, estava mais comunicativo, menos tímido, mais altivo. Acho que pela primeira vez reparei nele. Achei o rapaz bem bonito.

Tinha começado a trabalhar numa grande empresa desde que se formou, viajava muito a trabalho. Por acaso, íamos para o mesmo lugar e sentamos lado a lado.

Uso um travesseiro de viagem um tanto quanto ridículo, resultado de uma urgência, que atrai olhares e no início me fazia chamar a atenção mais do que gostava… Hoje em dia já me acostumei e acho até divertido o tanto de gente que puxa assunto, só por causa dele.

Com o rapaz não foi diferente… Logo que embarcamos, tirei da mochila o tal travesseiro. O moço perguntou algo e fez uma piadinha. Justifiquei dizendo que comprara durante uma viagem longa, pois não queria correr o risco de acordar no ombro da pessoa que estava sentada do meu lado: um senhor que insistia em tentar me fazer jogar fora o livro do Jorge Amado e me converter a sua religião, uma dessas numerosas neopentecostais ultraconservadoras (ai, que preguiça!).

Ele riu alto e espontâneo e disse que o tal senhor evangélico seria um baita sortudo se eu me apoiasse nele para dormir. Sorri entre tímida e presunçosa. Passei a gastar todo meu charme, jogando pra cima do rapaz, até que o assunto acabou e ele me propôs não usar o travesseiro naquela viagem, mas seu próprio ombro.

Não fiz cerimônias e encostei-me a ele. Passou o braço em volta da minha cintura, forte, uma pegada M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A, me beijou com uma vontade que parecia guardada há 10 anos.

Nos pegamos a viagem inteira. No desembarque nos despedimos sem trocar telefone ou qualquer outro contato. Ainda não lembro seu nome!

Anúncios

Comente!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: